Os aprendizados desse primeiro trimestre de 2018


O final de 2017 foi bem turbulento, com uma surpresa muito ruim e uma promessa de ainda mais dificuldades. E assim foi, não celebramos natal aqui em casa pois eu estava no hospital com a minha mãe, para o ano novo ela teve alta mas sua condição já não nos permitia fazer grandes festas e com o prognóstico da doença nem tinha motivo. 

Foram muitos momentos de luta, superei meus limites de sono, de fome, de tempo livre para sequer ler um livro, fiz por amor, e uma das coisas que aprendi nesse trimestre é que somos capazes de fazer o inimaginável por aqueles que amamos. Não fiz nada além de retribuir todos os anos de carinho e cuidado que ela teve comigo.

Outra coisa que aprendi foi que precisamos de tão pouco para viver, e o que mais precisamos é de saúde, pois com ela é possível correr atrás de tudo e tudo nessa vida tem jeito.

A maior lição de todas no entanto, é que a única coisa que não tem jeito e temos certeza que todos iremos passar é a morte. Depois de 4 meses de muita dedicação e amor com a minha mãe, ela fez sua passagem, sem dor, sem sofrimento, da forma mais serena possível em um hospital, estive com ela do dia 06 de dezembro de 2017 até o dia 17 de março em seu último suspiro. Apesar da saudade incomodar várias vezes todo dia, estou dando meu melhor para seguir a vida como ela gostaria, como ela sempre viveu, com garra, com determinação e com muito amor. 

Acreditamos não ser capazes de muita coisa nessa vida, mas somos sim, hoje mesmo com a solidão que bate e a tristeza, sinto que ela me deixou ainda mais forte e que posso fazer qualquer coisa que eu quiser, basta me dedicar, como me dediquei com ela. É como eu disse, por amor somos capazes de fazer coisas incríveis! 

Eu não poderia não compartilhar esse momento aqui, quero deixar eternizado a entrega e afeto que sinto por esse ser incrível que agora virou uma borboleta e tem o céu azul pela frente.
Onde quer que ela esteja sei que olha por mim e por meu irmão, seguiremos juntos, unidos, eu, ele, a minha companheira Ana. Seguimos pois nossa missão aqui não acabou. Mas com Calma, Sem Pressa!

XoXo!

1 Comentários

  1. Primeiramente, meus pêsames!
    Esse post mexeu muito comigo e tem uma mensagem muito bonita e triste ao mesmo tempo. Realmente a única coisa da qual não temos escapatória é a morte e só damos valor para a vida quando enfrentamos a morte cara a cara, quando a saúde é abalada e algumas opções parecem não serem mais possíveis...

    Desejo toda a força do mundo para você e qualquer outra pessoa que esteja passando por uma perda e superação, e desejo que o dia que eu precisar ter essa força eu também consiga encarar com essa positividade que você demonstrou no texto!

    beijos
    https://atrasadaparaocha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir